Colaborar com “benefícios”

Empresa incubada na Startup Lisboa cria produtos com edições limitadas

Versão para impressão
Depois de um primeiro produto – um azeite português certificado como comércio justo, limitado a 100 unidades, lançado em outubro de 2016, o Benefício volta com uma nova série.

Beltimore é o nome dado à coleção de 100 mochilas, feitas a partir de cintos de segurança desperdiçados.

Através de um projeto colaborativo, o Benefício juntou-se com um alfaiate e uma empresa de abate de carros e criou uma mochila com acabamentos de cabedal tradicional, útil para o transporte do seu portátil, até 15 polegadas, ou como simples complemento.

A peça, que prima pela sustentabilidade e pelo comércio justo, está à venda no portal www.obeneficio.com por 300 euros, com prazo de entrega de duas semanas.

Ricardo Nunes e Paulo Fernandes, fundadores d’O Benefício, revelam que o projeto “é um agregador e um curador. Somos anti escala, queremos provar que é possível criar produtos com valor, através da disrupção do modelo de baixo custo, sem esmagar quem cria e produz. Foi desta forma natural que nasceu a primeira série totalmente desenhada em regime colaborativo e de cocriação”.

Sediado no OBITEC (Parque Tecnológico de Óbidos), uma vez que o acesso a produtores certificados e de alta qualidade é muito elevado, facilitando a criação de novos produtos, ou incrementando a dinâmica de cross-selling entre produtores, O Benefício está também incubado na Startup Lisboa.

“Nós acreditamos que o futuro das organizações é colaborativo. Queremos eliminar a barreira da escala. Queremos negócios abertos ao talento e que remuneram quem cria e produz”, acrescenta a dupla fundadora.

Para além do Benefício e da Beltimore, também estiveram envolvidas a Batista S.A (na criação e implementação do conceito), a ValorCar (na concessão da matéria-prima) e Mohammad Ameen (na confeção da mochila).

Atualmente, O Benefício também se juntou à Planetiers, um mercado online de produtos sustentáveis.

Para os mais curiosos e expectantes, o projeto também disponibiliza no seu website a reserva antecipada do terceiro Benefício, por 25 euros. Um produto que “ninguém sabe o que é, mas vai ser incrível!”.

A marca garante que vai ser algo igualmente especial e único. Adiantam ainda que “será um objeto com história e que respeite a forma de fazer cuidada e no tempo certo”.

Para 2017, os fundadores esperam concretizar a expansão para seis mercados externos e a colocação de 25 edições correspondentes a 2500 unidades vendidas.

Veja o vídeo:

Comentários

comentários

Artigos relacionados