Empresários portugueses estão otimistas quanto ao futuro das suas empresas

Mais de metade dos empreendedores portugueses (56%) aconselha à criação de novas empresas no distrito onde operam

Versão para impressão

Os empresários portugueses mostram-se otimistas quanto à evolução dos seus negócios. De acordo com a terceira edição do Estudo Nacional de Competitividade Regional, elaborado pela plataforma online Zaask, nos 18 distritos e regiões autónomas do País, 61% dos empresários estimam melhorias no desempenho das suas empresas em 2018.

O estudo, realizado em colaboração com a Universidade Católica Portuguesa, analisa, pelo terceiro ano consecutivo, a competitividade dos distritos, o apoio do Governo Regional/Local, a situação financeira das empresas e a situação económica das regiões, com base num inquérito realizado a 2.562 microempresas, entre 1 e 10 funcionários, das quais 2.062 desenvolvem a sua atividade em Portugal e as restantes 500 em Espanha. No mercado português, este tipo de empresas representa mais de 85% das PME.

Numa comparação com a segunda edição do estudo, é possível concluir que a situação financeira das empresas melhorou ligeiramente, acompanhada por uma evolução da situação económica nacional. Em 2016, 59% dos empresários portugueses classificou a situação financeira da empresa como razoável, observando-se um crescimento de mais de 3% para um valor de 61% em 2017. Se olharmos para o país vizinho, há maior percentagem de empresas em situação percebida como má ou muito má em Espanha (38%) do que em Portugal (23%).

Quanto à situação económica por distrito, 86% dos empresários classifica-a como sendo razoável, boa ou muito boa. Um indicador que em 2016 representava apenas 68% e que, agora, reflete um aumento de cerca de 27% da confiança na economia nacional.

O estudo revela ainda que 45% dos empresários destaca uma maior evolução das suas receitas no ano de 2017, o que representa um crescimento de 25% face ao período homólogo.

Aceda ao estudo completo aqui.

Comentários

comentários

Artigos relacionados

A participação da Seleção Nacional no Mundial 2018 poderá representar um retorno mediático de 120 milhões de euros aos patrocinadores, dependendo da prestação da equipa na Rússia.