EPSIS atinge recorde de alunos premiados com bolsas sociais

A EPIS – Empresários pela Inclusão Social, atribui prémios a 53 alunos que terminaram o 3.º ciclo e o secundário em 2017 e distingue as boas práticas de cinco entidades e instituições escolares na 7ª edição das Bolsas Sociais.

Versão para impressão
Os prémios distinguem escolas e outras organizações pelas boas práticas de promoção da inclusão social de crianças e jovens e premeiam o mérito académico. O objetivo é possibilitar o prosseguimento de estudos de alunos de todo o país, no ensino secundário e no ensino pós-secundário.

Este ano, a EPIS distingue alunos em 17 categorias diferentes, com um recorde de participação de 318 candidaturas em escolas públicas de todo o país. O programa de 2017 representa o maior investimento global de sempre de cerca de 75 mil euros, mais 71 por cento que os 43,6 mil euros investidos no último ano.

Ao todo, nos sete anos de Bolsas Sociais a EPIS distinguiu 55 escolas, atribuiu 198 bolsas sociais, premiando 185 alunos – 163 alunos do 9.º ano e 22 jovens do 12.º ano -. A associação apoiou também 11 projetos de promoção da inclusão social, num investimento total de cerca de 268 mil euros, com a participação de 59 investidores sociais.

O programa conta com 17 entidades investidoras: Banco Santander Totta, BP Portugal, Cofaco Açores, Deloitte, Fertagus, Fundação AGEAS – Agir com coração, Fundação Amélia da Silva de Mello, Fundação Galp Energia, Fundação GlaxoSmithKline, Fundação Oriente, Grupo Generg, Grupo Pestana, Servier, Sindicato dos Jogadores Profissionais de Futebol, Soroptimist International Clube Lisboa Caravela, VHumana e Vitacress, e 9 Amigos EPIS.

“O crescimento significativo do programa de bolsas sociais da Associação EPIS ao longo dos últimos anos confirma que este é um instrumento eficaz para canalizar a responsabilidade social e a boa vontade da sociedade civil – empresas, instituições e cidadãos – em favor de jovens de todo o país com elevado potencial académico que, sem este tipo de ajuda, teriam mais dificuldades em ter sucesso numa carreira escolar no ensino secundário ou numa carreira universitária no ensino superior. Ao “fazer a diferença” na vida destes estudantes, a EPIS está a cumprir a sua missão funcional de promoção da inclusão social dos jovens em Portugal”, comentou o Presidente da Direção, António Vitorino.

Comentários

comentários

Artigos relacionados