O homem dos 7 ofícios e o autodidata! Duas adoradas figuras e bem presentes nos dias que correm

Seja por uma necessidade imposta pelos difíceis tempos que se atravessam seja porque hoje em dia a informação está mais do que nunca acessível a toda gente em qualquer lado e a toda hora, cada vez mais o homem médio escolhe fazer por si próprio uma série de funções sem recorrer a especialistas da área.

Versão para impressão
Desde finanças, passando pela informática e até mesmo na área legal, há pouco que o homem de hoje não tente resolver por si mesmo.

A Propriedade Industrial não é exceção.

Hoje são facilitadas plataformas online que permitem efetuar, por exemplo, um registo de uma marca de uma forma bastante intuitiva e simples.

Impõem-se então a questão: Qual a grande vantagem de recorrer a estes serviços nas empresas especializadas? Porque não fazer sozinho?

Permitam-me que puxe a brasa à minha sardinha!

Embora o processo formal de registo de uma marca nacional seja relativamente simples e intuitivo, conseguir com sucesso uma marca tem muito mais que se lhe diga.

Um dos primeiros passos que se toma quando se decide criar uma marca é obviamente o nome. E esta tarefa é um verdadeiro pesadelo. Tudo o que vem à cabeça ou já existe ou parece-nos impossível de criar um marco na memória dos futuros consumidores.

Um dos maiores e mais comuns erros que é cometido é que o empreendedor, o criador da dita marca, assim que encontra um nome de que gosta começa de imediato a lançar produtos, a investir em materiais de divulgação do nome, compra sacos, caixas e caixinhas, manda fazer letreiros, constrói sites, páginas e blogs e só então se lembra de ir registar.

O problema é que a juntar à dificuldade de chegar a um bom nome, acresce que é necessário fazer uma pesquisa profunda e detalhada de todas as marcas existentes não só em Portugal, como também marcas da União Europeia (nas quais se inclui a proteção em Portugal) e ainda Marcas Internacionais que designem Portugal ou a União Europeia, e verificar se não há nenhuma marca já igual ou semelhante que possa ser confundível e com isso levar a uma eventual recusa do registo ou reclamação por parte de um terceiro detentor de uma marca que julga estar a ser prejudicada com o novo pedido de registo.

Logo aqui encontramos a primeira e grande vantagem de recorrer a empresas especializadas.

Aí o nome selecionado pelo requente para dar vida à marca é analisado e comparado em extensas bases de dados que permitem verificar todas as marcas pedidas e registadas.

O que se ganha então com este aparente simples passo? Segurança. Segurança de que o pedido de registo à partida será aceite sem sofrer uma recusa.

E isto acaba por poupar tempo, dores de cabeça e, muito importante, também dinheiro.

Outra vertente a destacar ao se recorrer a empresas da especialidade está precisamente no acompanhamento e resolução quando não são evitáveis as recusas ou reclamações.

Como? Elaborando respostas e planos de resolução perante tais obstáculos. Ou, claro está, no reverso da moeda, a criar obstáculos a tentativas de registos que se assemelhem ao do Cliente e que possam criar situações de concorrência desleal.

Aqui entra a vigilância da marca que é feita pelas empresas da especialidade. Todos os dias são vigiados todos os novos pedidos de registo de marcas e é feita uma análise de forma a verificar se poderemos estar perante uma situação de imitação de marca!

Tudo o que é encontrado é partilhado com o Cliente juntamente com um plano de hipóteses de resolução para impedir que uma nova marca que esteja em conflito possa ser registada e provocar situações de concorrência desleal.

Estas são as grandes vantagens de deixar a capa de homem dos 7 ofícios em casa e vir sentar-se com uma empresa de pessoas que estudaram e trabalham todos os dias na área.

O investimento vale a pena. Venha ter connosco, ajudamos a tornar todas as expectativas e sonhos que estão comprimidos nessa marca uma realidade.

Comentários

comentários

Artigos relacionados

Burlas em vendas online. Uso abusivo de dados de cartões de crédito. Phishing bancário. Criação de perfis falsos em redes sociais. Acessos ilegítimos a sistemas informáticos. Também os recentes ataques informáticos que ocorreram um pouco por todo o mundo confirmam que o cibercrime veio para ficar e será cada vez mais sofisticado, colocando este tema na agenda de governos, empresas e instituições.