Jovem cientista representa Portugal na Internacional Swiss Talent Forum 2018  

Em 2014 João Araújo destacou-se com um 1º lugar no Concurso Europeu de Jovens Cientistas. Este ano é ele que irá representar Portugal no Swiss Talent Forum 2018, que se realiza na Suíça de 17 a 20 de fevereiro.

Versão para impressão
“O Futuro da Vida Urbana” é o mote desta 7ª edição da Swiss Talent Forum que reúne jovens estudantes de toda a Europa para participar em palestras, workshops e responder a desafios colocados por empresas. Este ano são cinco as empresas que vão colocar desafios empresariais aos jovens do STF, para que estes encontrem as melhores soluções. Projetar ambientes urbanos mais inteligentes, mais sustentáveis em relação ao consumo de energia e às emissões de C02 e construir sociedades inclusivas que promovam a participação de todos, são alguns dos desafios que serão colocados. Aos jovens é pedido que respondam de forma inovadora e criativa, dando às empresas a melhor das soluções para cada um dos problemas.

Como explica a organização da STF “o objetivo deste encontro é reunir estudantes de toda a Europa para debater o futuro da vida nas cidades. Ao criar um espaço de interação e debate estamos a contribuir para a promoção do desenvolvimento urbano sustentável. Nesse sentido, o STF coloca estudantes entre os decisores, especialistas, pesquisadores e gestores para debater o tipo de espaço que desejamos criar para a sociedade urbana do futuro”.

Jovens Cientistas respondem a 5 desafios colocados por empresas:

Desafio 1: Desafio Smart Cities

Futuras cidades precisam ser projetadas e construídas de forma inteligente. As cidades devem fornecer um ambiente sustentável num contexto de rápido crescimento urbanístico.

Desafio 2: Desafio casas inteligentes

O mundo e nossa vida diária está cada vez mais digital. O impacto do digital verifica-se em todos os setores da nossa economia. Qual o impacto, as oportunidades e os riscos que enfrentaremos no futuro? Vivemos a era dos produtos inteligentes: iluminação controlada remotamente em qualquer lugar, música que toca automaticamente em todos os quartos de acordo com suas preferências de cada um dos moradores, sensores que alertam, entre outros. Qual o impacto das novas tecnologias na nossa qualidade de vida?

Desafio 3: Desafio de resiliência urbana

Um dos desafios das futuras cidades passa por encontrar maneiras de garantir que o ambiente urbano permanecerá sempre sustentável e funcional antes, durante e após situações de desordem. Este é o principal objetivo da chamada resiliência urbana. As cidades e as áreas urbanas são consideradas resilientes quando suas estruturas físicas, sistemas políticos e governamentais continuam a funcionar como apoio ao bem-estar do residente antes, durante e após situações de conflitos sociais, políticos ou simplesmente causas naturais.

Desafio 4: Desafio do consumo de energia

Apesar do crescimento das energias renováveis, os combustíveis fósseis continuarão a existir. Assim, deve ser dada especial atenção à qualidade do ar e às emissões de gases poluentes, pois os impactos no ambiente e na saúde continuarão a agravar-se. Com as novas cidades devem nascer novas políticas ambientais e tecnologias de controlo de poluição.

Desafio 5: Desafio da hospitalidade urbana

Os fluxos migratórios estão em constante crescimento, bem como a diversidade da migração e a situação dos recém-chegados (refugiados, trabalhadores ilegais, expatriados, migrantes circulatórios, turistas etc.). A hospitalidade urbana está relacionada com a forma como a cidade se organiza a nível social, político, e económico para acolher um recém-chegado. Um dos principais modelos históricos de hospitalidade urbana estava relacionado a existência de bairros pobres e geralmente clandestinos onde os migrantes eram temporariamente ou permanentemente residentes. Estarão as cidades preparadas para lidar com os fluxos migratórios?

Nesta 7ª edição do Swiss Talent Forum Portugal estará representado por João Araújo, um estudante de Engª Mecânica do Instituto Superior Técnico. Com um vasto currículo em competições europeias e internacionais, o jovem universitário destacou-se na Mostra Nacional de Ciência em 2014 e 2015 onde alcançou o 2º lugar. Em 2014 participou ainda no Concurso Europeu de Jovens Cientista, onde alcançou o 1º lugar. Em 2015 representou Portugal no International Youth Science Forum e mais recentemente, em 2016, participou na Intel ISEF – Feira Internacional de Ciência e Engenharia.

Anualmente, a Fundação da Juventude seleciona jovens portugueses para este Forum, os quais se têm destacado. Em 2017 entraram em competição Mariana Garcia e Matilde Silva, a dupla vencedora da 8ª Mostra Nacional de Ciência com o projeto “Neuro Teste” (teste de farmacológicos de baixo custo). As duas jovens cientistas que participaram na edição de 2017 da Swiss Talente Forum, cujo tema foi o empreendedorismo, acabaram por ser convidadas por uma empresa Suíça de sensores a apresentarem o resultado do seu trabalho ao Presidente da empresa e aos restantes trabalhadores.

Para a Fundação da Juventude “este tipo de iniciativas é altamente enriquecedor na medida em que “obriga” os jovens a assumir o papel de empreendedores, a encararem os desafios e até lidarem com a frustração. São desafios reais aos quais os jovens portugueses têm respondido com sucesso.”

Comentários

comentários

Artigos relacionados