Med Summit 2017

O nascer da era tecnológica portuguesa

Portugal é agora mais atrativo!

Acredita Portugal

Versão para impressão
O aumento do turismo, do investimento, das start-ups e incubadoras tecnológicas confirmam esta tendência.

A inovação tecnológica em Portugal, embora seja ainda embrionária, é promissora, quer na criação de novos produtos, quer no desenvolvimento de novos softwares.

O maior desafio para o país nesta área reside agora na projeção do mesmo e no seu posicionamento no mercado internacional.

Nesse sentido, a APGT – Associação Portuguesa de Gadgets e Tecnologia, organização sem fins lucrativos, pretende auxiliar os seus associados, acompanhando-os em todo o processo de internacionalização e integração.

O principal objetivo é promover o desenvolvimento, a investigação e inovação na área dos gadgets e tecnologia, colaborando com entidades nacionais e internacionais.

A importância estratégica deste setor é crescente e inequívoca.

A participação em ações de divulgação (feiras, conferências, encontros tecnológicos) é também fundamental na divulgação dos produtos portugueses e deve ser reforçada e alavancada.

A presença de muitas empresas portuguesas na Web Summit 2016 é um desses exemplos, tendo as mesmas merecido a atenção de investidores.

E agora?

Agora é necessário usar essa visibilidade e esse fórum para aumentar a projeção do que é português… tecnologicamente falando.

Comentários

comentários

Premio Startup Montenegro 2017

Artigos relacionados

Vivemos nos dias que correm um momento de mudança internacional. O Brexit, a nova presidência dos Estados Unidos da América, estas são algumas das temáticas que têm estado na frente do panorama internacional relacionado com a entrada, permanência, e, mais importante, o bem-estar dos imigrantes num país.

O arquiteto é um elemento fundamental na conceção de cidades inteligentes. O que são ‘Cidades Inteligentes’? Qual é, afinal de contas, o papel da tecnologia na construção destas? A tecnologia desempenha um papel crucial na construção de cidades a diversos níveis: desde a forma como os carros, sinais de trânsito e peões comunicam entre si, até à sinalização para peões (em passadeiras, por exemplo) até à própria sustentabilidade da Cidade através da adoção de novos sistemas de iluminação que tenham como prioridade a poupança energética e ambiental, entre outros.