Med Summit 2017

A pensar nas pessoas que vivem/trabalham em climas frios

ThermalTech cria tecidos inteligentes que retêm energia natural 

Acredita Portugal

Versão para impressão
Por Inês Ruivo

A pensar nas pessoas que vivem/trabalham em climas frios, a ThermalTech desenvolveu tecidos térmicos que aquecem através da luz solar, artificial ou corporal (infravermelhos). O sistema é simples e não requer o uso de baterias: no interior das peças de roupa é colocada uma entretela em malha de aço inoxidável, com revestimento solar seletivo, que absorve a energia e aumenta a sua temperatura. O tecido, leve e pouco volumoso, permite “aumentar o nível de conforto dos seus utilizadores, a sua liberdade de movimento e produtividade”, afirma Zacil Cinco, gestora da marca ThermalTech.

O tecido inteligente retém 80% de energia captada pela exposição solar, ao contrário dos tecidos tradicionais sem este tipo de revestimento, que retêm apenas 40 a 45% da energia solar, como refere a gestora. O tecido é constituído por materiais recicláveis e têxtil ativo, cujo calor do corpo é reciclado devido às suas fibras metálicas e respiráveis. Segundo a marca, a sua incorporação nos casacos possibilita retirar duas ou três camadas de roupa (cerca de 1Kg a menos) e manter o utilizador quente apenas com uma blusa e o casaco ThermalTech a uma temperatura exterior de 5° C.

A eficiência deste tecido inteligente mantém-se em dias nublados ou no interior de edifícios, uma vez que a luz artificial e energia corporal aumentam a temperatura dos casacos. O tecido, quando combinado com lã, melhora a sua funcionalidade e a sua respirabilidade, evita o sobreaquecimento, independentemente da fonte de energia, uma vez que o excesso é expelido para o exterior, garante Zacil Cinco. “O tecido inteligente da ThermalTech baseia-se no princípio de ‘Equilíbrio Energético’, que significa: se colocar dois objetos juntos, um quente e um frio, o quente transferirá o calor para o frio até que ambos alcancem a mesma temperatura e a mantenha constante”.

O tecido foi testado em laboratórios especializados nos EUA, onde foram comparadas duas peças de vestuário com a mesma configuração (uma com revestimento interno ThermalTech e outro sem este tecido inteligente). Os resultados, utilizando o Método de Teste Padrão para Medir o Isolamento de Vestuário Usando um Manequim Aquecido, demonstraram, segundo a ThermalTech, que têm 15-25% maior proteção de isolamento e aquecimento 10 vezes superior ao verificado na peça sem tecido inteligente. Também os testes feitos em campo demonstraram que a temperatura pode aumentar até 8° C em dois minutos de exposição solar.

O tecido está incorporado em casacos e acessórios de inverno da primeira coleção da marca Narvik Works. Estão disponíveis modelos para homem e mulher, em diferentes cores. O modelo Street funciona bem a temperaturas de 0° a 10° C, o Explorer entre -1° e 10° C e o Extreme de -20° a -10° C. Todos são à prova de água e corta-vento e os dois últimos modelos referidos têm capuz removível e entrada para fones. Este tecido pode ser incorporado noutras peças, como em calçado, luvas de neve e sacos-cama.

Comentários

comentários

Premio Startup Montenegro 2017

Artigos relacionados

Será possível reinventar o conceito de horta urbana e torná-lo mais prático para a vida citadina? O Space10, laboratório para sustentabilidade do grupo IKEA, acredita que sim e valeu-se do contributo de dois arquitetos.