Portugal Smart Cities Summit: melhor economia, mais emprego e melhor sustentabilidade

Sessão de abertura contou com a participação de Jorge Rocha de Matos, António Almeida Henriques e Fernando Medina.

Versão para impressão

Começou ontem, dia 11 de abril, o Portugal Smart Cities Summit by Green Business Week, o evento tecnológico e smart do país, que congrega empresas, municípios, start-ups e universidades no Centro de Congressos de Lisboa.

Estão a ser três dias de networking entre as diferentes partes envolvidas, com um objetivo comum: dar a conhecer as novidades, os projetos inovadores, as iniciativas sustentáveis, tudo o que se faz em Portugal ao nível de sustentabilidade, ambiente, energia, tecnologia e outras matérias que envolvem o conceito emergente de smart cities.

Na sessão de abertura, que contou com a participação do Presidente da Fundação AIP, Jorge Rocha de Matos, do Presidente do Conselho Estratégico do Portugal Smart Cities Summit e também da Câmara Municipal de Viseu, António Almeida Henriques, e do Presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, ficou demarcada a importância que este evento tem no panorama nacional, ficando a certeza de que já há muitos projectos de qualidade a serem desenvolvidos no nosso país e que, inclusive, têm um grande potencial de expansão além-fronteiras.

Nas palavras do Presidente da Fundação AIP, Jorge Rocha de Matos, “de facto, existe hoje, em Portugal, nestas áreas de negócio [smart cities], um número significativo de empresas, nomeadamente PME, com uma carteira de atividades e qualificações elevadas (…) Estão, por isso, em condições de trilharem o caminho da internacionalização e de se afirmarem nos mercados externos.”

A Fundação AIP continuará a demonstrar o seu apoio e a ser dinamizadora de acções deste “novo ciclo”, nas palavras do Presidente Jorge Rocha de Matos: “um novo ciclo, marcado pelo crescimento inteligente, pela digitalização generalizada da economia e pela inteligência territorial”.

Fernando Medina destaca o sucesso de soluções de mobilidade aplicadas em Lisboa

Fernando Medina falou sobre o sistema de bicicletas partilhadas da cidade de Lisboa que, diz o Presidente da Câmara Municipal, “veio responder a uma necessidade”. Embora seja um projeto piloto na capital, ainda em expansão, Fernando Medina destaca os números e considera positivo o feedback que os utilizadores da rede partilhada de bicicletas têm demonstrado: “O sistema de bicicletas eléctricas tem, em poucos meses, mais de 5000 assinaturas ativas e que temos uma utilização diária em média de cerca de 1500 utilizadores, das quais 1000 são em hora de ponta.”

Para crescer, o conceito de smart cities precisa da sinergia entre indústria e território

Quem reitera esta ideia é António Almeida Henriques, Presidente do Conselho Estratégico do Portugal Smart Cities Summit e também da Câmara Municipal de Viseu e Vice-Presidente da Associação Nacional de Municípios – ANMP, que destacou a convergência de esforços que o país tem feito ao nível das smart cities e enumerou as transformações a nível qualitativo do evento: “Sentimos uma grande diferença no espaço de um ano. Como é que em um ano o país evoluiu tanto? Vamos vê-lo aqui [no Portugal Smart Cities Summit]. A primeira grande diferença que sentirão é a integração entre a indústria e o território (…) Porque aquilo que antes eram ideias viradas para o futuro hoje são projectos concretos que estão a ser aplicados por este país fora, independentemente da dimensão do município.”

Comentários

comentários

Artigos relacionados