Primeira fábrica de portáteis e tablets promete colocar Cuba no epicentro da tecnologia

Promover a literacia digital no país e fincar a bandeira cubana no mundo da tecnologia são os principais propósitos do governo de Havana.

Versão para impressão
Cuba estreia-se na esfera da tecnologia, com a inauguração da sua primeira fábrica de eletrónica de consumo no país, cujo objetivo é produzir computadores portáteis e tablets. Esta é uma tentativa para promover a literacia digital e tecnológica em Cuba.

De acordo com a agência noticiosa oficial do Partido Comunista cubano (Granma), esta central de produção vai ser gerida pela autoridade reguladora da informática, comunicações e eletrónica, e tem capacidade para produzir aproximadamente 120 mil unidades por ano.

Este projeto, considerado pelo governo como um grande avanço no desenvolvimento tecnológico do país, vai fazer com que Cuba possa recuperar algum do atraso sofrido pelo bloqueio económico lançado sobre o país pelos Estados Unidos da América (EUA), refere o órgão estatal. O mesmo acrescenta que, apesar de se terem já conduzido negociações para “normalizar” as relações entre os dois países, o bloqueio continua em vigor.

A fábrica vai produzir tablets de oito e de dez polegadas, bem como portáteis de sexta geração com processadores i3, Celeron e i5, da Intel.

Avança a Granma que a tecnológica chinesa Haier vai fornecer equipamento, tecnologia e formação às equipas da nova central de produção.

Contudo, não se sabe quantos novos postos de trabalho – se algum – será criado e desconhece-se se os dispositivos vão chegar efetivamente às mãos da população cubana, ou se são apenas produtos para exportação.

Comentários

comentários

Premio Startup Montenegro 2017

Artigos relacionados