Projetos portugueses podem mudar o mundo

O IneoStart arrancou em 2010 e por lá já passaram empresas como a LaserLeap, a DoDoc ou a Book in Loop.

Versão para impressão
A apresentação das dez equipas que frequentaram o programa de aceleração de tecnologias e ideias em negócios com mais tradição em Portugal, o INEOStart, decorreu no passado dia 20 de abril. Desde que começou, em 2010, o INEOStart já juntou mais de 500 participantes, divididos em 90 equipas que criaram 56 empresas com uma taxa de sobrevivência de 85%.

A TrojanDC, empresa criada em 2017, é uma terapia baseada em reprogramação celular que estimula o sistema imunitário a atacar e eliminar especificamente tumores.

A Venex, já no setor da segurança rodoviária e das energias renováveis, consiste num equipamento redutor de velocidade que extrai energia a veículos sem causar impactos nos mesmos. A grande particularidade deste equipamento é que capta energia cinética dos veículos podendo ser transformada em energia elétrica.

Formada por quatro elementos, o projecto Koi4Rare, pretende disponibilizar opções terapêuticas inexistentes para os doentes com ataxias espinocerebelosas.

No setor da arqueologia e construção civil, a Theia visa a criação de um sistema de detecção remota de estruturas arqueológicas no subsolo a partir de dados de satélite, de forma rápida e a baixo custo, ao contrário das metodologias atualmente usadas.

Criada por dois membros, a Dignus é uma aplicação de gestão para profissionais de saúde, educadores e famílias com crianças e jovens que necessitam de cuidados paliativos. Permite o registo e consulta dos sinais e sintomas, dos cuidados e tratamentos implementados, agendamento de consultas e a realização de pedidos de apoio. Desta forma é feito um acompanhamento contínuo do paciente.

Com um montante de investimento a rondar os 100 mil euros, a Neritical desenvolve soluções geoespaciais de monitorização costeira para apoiar tomadas de decisão na indústria do mergulho, portos e pescas.

No setor ambiental, foi apresentado a EcoExperience, uma empresa criada em 2016 que pretende valorizar o ambiente oferecendo a todas as famílias a possibilidade de na sua própria casa transformarem lixo doméstico em produtos úteis. A partir de óleo usado pode produzir um sabonete líquido dermatologicamente testado. Para mais informações viste o site da empresa em www.ecoexperience.pt.

A Negotiation Technologies é uma ferramenta web para estruturação, passo a passo, do processo de negociação B2B com vista ao aumento de eficiência em tempo, recursos e alocação de valor.

O inEYE é uma tecnologia desenvolvida para a administração ocular de vários fármacos em simultâneo de forma controlada e prolongada. É um dispositivo sólido, semelhante a uma pequena pérola, que se coloca no interior da pálpebra inferior, podendo ser utilizado no tratamento de doenças crónicas como o glaucoma ou como na prevenção de uma inflamação ou uma infecção nas semanas que sucedem uma cirurgia aos olhos. A composição, a forma, o tamanho e a arquitetura que compõem a tecnologia inEYE dotam este sistema de uma versatilidade sem precedentes no mercado, e como tal, fazem dele uma forte competição às gotas oftálmicas.

A Síndrome da Apneia Obstrutiva do Sono (SAOS) constitui uma das perturbações do sono mais comuns, tendo como consequências uma sonolência diurna elevada, que diminui o bem-estar, e o aparecimento de doenças crónicas como diabetes, doenças cardiovasculares e demência. Estima-se que 80-90% dos casos de SAOS não tenham sido ainda diagnosticados, e, como tal, não estejam a ser devidamente acompanhados e tratados. A tecnologia da Sleep Apnea ID permitirá o diagnóstico precoce e acompanhamento do tratamento de forma simples e confortável para o doente.

As ideias apresentadas são acompanhadas, num caminho que as testa até ao eventual lançamento: desenvolver um modelo de negócios sustentável, encontrar a equipa certa, desenvolver um produto e definir uma estratégia de entrada no mercado. Empresas como a LASERLEAP, BSIM2, DoDOC ou BOOKinLOOP, entre muitas outras, deram os primeiros passos no INEOStart.

Comentários

comentários

Artigos relacionados