Transferência e comercialização de tecnologia em Portugal, 2007-2014

A investigação desenvolvida nas instituições de ensino superior, incluindo a dos institutos de interface com o meio empresarial (ou, Laboratórios Colaborativos), tem sido reconhecida como uma fonte importante de conhecimento potencialmente valioso, não apenas do ponto de vista científico, mas também económico.

Versão para impressão
Nos países mais desenvolvidos em termos tecnológicos, grande parte deste conhecimento é introduzido no mercado via gabinetes de transferência e comercialização de tecnologia (em inglês, Technology Transfer Offices – TTOs), sendo estes considerados de importância estratégica para universidades dedicadas à comercialização do conhecimento académico.

Os TTOs portugueses são relativamente novos (têm, em média, cerca de 12 anos) e pequenos – a sua dimensão era, em 2014, de 5.1 pessoas (em ETI – equivalente a tempo integral), com um orçamento anual de 240 mil euros (valores médios, por TTO).

Para o período 2007-2014, as atividades mais frequentemente desempenhadas incluíam: 1) Sensibilização/ divulgação de informação sobre direitos de propriedade intelectual e empreendedorismo; 2) Recolha de informação para nova propriedade intelectual e tecnologia; 3) Avaliação da patenteabilidade das invenções; 4) Solicitação de patentes; 5) Gestão de acordos de transferência ou confidencialidade; 6) Negociação de licenças; 7) Criação e apoio a startups baseadas nas invenções de respetiva instituição; e 8) Formação de professores, investigadores e estudantes.

Em termos globais, os valores relativos aos principais outputs dos TTOs são relativamente reduzidos (ver Figura), sendo muito concentrados em 3 TTOs. A crise financeira e económica (2008-2009) teve um impacto não negligenciável na atividade dos TTOs, sobretudo no que respeita aos pedidos de patentes: não obstante o número de pedidos junto do INPI se tivesse mantido globalmente estável (@ 63), o número de pedidos junto do European Patent Office (EPO) e do US Patent Office (USPO) caiu cerca de metade, quando comparamos o período de 2011-2014 face ao de 2007-2010.

Com exceção dos rendimentos gerados por licenças, que observou, entre 2011 e 2014, um decréscimo médio anual de 14%, em todos os restantes outputs a dinâmica foi apreciável, designadamente no número de patentes ativas, licenças/acordos de opção concedidos e acordos de I&D estabelecidos, com médias de crescimento anual acima dos 14%.

Comentários

comentários

Artigos relacionados