UTAD propõe um alcoolímetro inovador

A Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD) acaba de criar um dispositivo eletrónico que, ligado a um telemóvel, permitirá aos automobilistas conhecerem, na hora, a sua taxa de alcoolemia.

Versão para impressão
O condutor apenas terá de soprar para um sensor ligado por bluetooth a um smartphone, dotado de uma aplicação que lhe dará tal indicação.

O projeto foi desenvolvido no Departamento de Engenharias da UTAD, no âmbito do mestrado em engenharia eletrotécnica e de computadores realizado por Ana Patrícia Queirós Gomes, sob a orientação dos investigadores Lio Fidalgo Gonçalves e Raul Morais dos Santos. Este trabalho apresenta um alcoolímetro smartwatch wearable complementado por uma aplicação móvel que possibilita a rápida e fácil estimativa da taxa de alcoolemia por analogia à quantidade de álcool detetado na respiração.

O sistema final mostrou resultados consistentes e proporcionais, cuja precisão foi confirmada através da sua comparação com o aparelho utilizado pelo comando da Polícia de Segurança Pública de Vila Real.

Os responsáveis reconhecem, “não só a oportunidade de o condutor poder aferir a taxa de alcoolemia a qualquer hora com a conveniência de um dispositivo wearable, mas sobretudo a importância de, através desta monitorização, poderem resultar grandes progressos na prevenção de acidentes rodoviários”.

Pretende-se que este sistema “seja portátil, de fácil manuseamento e razoavelmente discreto de forma a ser transportado com o utilizador no seu dia-a-dia permitindo um cómodo acompanhamento e controlo daquele que poderá ser um problema de saúde ou apenas uma situação esporádica”, explicam os investigadores. “O sistema proposto deverá ser capaz de, em primeiro lugar, recolher amostras de sopro, processá-las e apresentar os resultados num curto espaço de tempo”, continuam.

O dispositivo hardware vai ser acompanhado por uma aplicação Android “que permitirá o registo de resultados de forma discreta. Desta forma, pretende-se que o sistema proposto represente um passo em frente no combate à mortalidade associada aos acidentes rodoviários, bem como à doença que representa o alcoolismo que faz parte da nossa realidade”, concluem.

//www.utad.pt/

Comentários

comentários

Artigos relacionados