42% dos portugueses consideram ter bom nível de Literacia Financeira 

A Literacia Financeira faz parte do nosso quotidiano e é determinante para a tomada de decisões de forma mais consciente, mas também para uma economia mais saudável.

Versão para impressão

 

O conhecimento financeiro é fundamental para a gestão do orçamento familiar. Ciente da importância deste tema, o Observador Cetelem volta a lançar um estudo dedicado à Literacia Financeira dos portugueses. Os resultados indicam que não há um forte conhecimento de conceitos económicos e que apenas 42% dos inquiridos consideram ter bom nível de literacia financeira.

A Literacia Financeira faz parte do nosso quotidiano e é determinante para a tomada de decisões de forma mais consciente, mas também para uma economia mais saudável, numa sociedade informada e ciente dos seus direitos e deveres. Este estudo aborda três matérias que consideramos estarem relacionados com a Literacia Financeira. Em primeiro lugar, o controlo do orçamento familiar, o rendimento e as despesas mensais; mas também as poupanças e a preparação de reforma; e a subscrição de crédito.

Todos os inquiridos por este estudo foram abordados no sentido de opinar sobre os seus conhecimentos quanto a expressões financeiras, de testar se conhecem conceitos associados ao crédito e de avaliar o acesso à formação financeira. Por fim, foi também efetuado um pequeno ponto de situação quanto à relação dos portugueses com as novas tecnologias financeiras, nomeadamente, com as novas formas de pagamento.

Sobre os conhecimentos de literacia financeira, 42% dos inquiridos pelo estudo do Observador Cetelem consideram ter, no mínimo, um bom nível de literacia financeira. No entanto, face a uma realidade social que cada vez mais exige especial atenção ao jargão financeiro, não há ainda um forte conhecimento de conceitos económicos. Ainda assim, regista-se uma melhoria face aos resultados de 2017, quando apenas 39% dos cidadãos assumiram ter, pelo menos, um bom nível de literacia financeira (um aumento de 3 pontos percentuais). Face ao último ano, cresce também o total daqueles que admitem pouco saber desta matéria – 17% este ano, mais 6 pontos percentuais que no estudo elaborado no ano transato.

Na avaliação nacional destes conhecimentos financeiros, 42% dos portugueses consideram que a sociedade não está nem bem, nem mal informada; enquanto 29% observam que o conhecimento nacional destas matérias é “bom” ou “muito bom”. Com estes números, diminui a crença dos portugueses nos conhecimentos dos seus concidadãos (em 2017, mais 4% dos inquiridos consideravam que tinham bons ou muito bons conhecimentos a este nível) e aumenta o número daqueles que avaliam que os conhecimentos nacionais são “maus” ou “muitos maus” – 13%, mais 5 pontos percentuais que em 2017.

Face destes valores, 53% dos inquiridos reconhecem a importância de ser ministrada mais formação financeira e atribuem esse dever a Instituições Financeiras, ao Banco de Portugal e às Escolas. Segundo Leonor Santos, Diretora de Compliance e Jurídico do Cetelem, “estas conclusões mostram não só que ainda há um longo caminho a percorrer na educação financeira dos portugueses, mas também realçam um interesse em superar os desafios que lhe estão inerentes. Um bom nível de educação financeira facilita e permite a tomada de decisões adequada às necessidades, motivo pelo qual consideramos fundamental a aposta na formação. Não é por acaso que a maioria dos portugueses inquiridos neste estudo apontam a gestão orçamental e a poupança como prioritárias para um melhor conhecimento financeiro dos cidadãos”.

Comentários

comentários

Artigos relacionados

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close