I&D impulsiona setor agroalimentar nacional

Versão para impressão
À primeira vista, parece quase impossível escrever sobre fumados tradicionais portugueses e estufas “inteligentes” na mesma frase. Mas a verdade é que partilham um ingrediente secreto em comum: são ambosresultado da aposta nacional na inovação de base científica e tecnológica, com o apoio da Agência Nacional de Inovação (ANI).

Um deles integra mesmo a “Liga dos Campeões” do Horizonte 2020 (o Programa-Quadro Comunitário de Investigação & Inovação), representa o futuro da agricultura e chama-se CoolFarm. Com base na inteligência artificial e no “machine learning”, esta PME portuguesa desenvolveu um sistema de controlo inteligente de estufas para produção agrícola que permite a sua monitorização online através de qualquer dispositivo. Criou ainda uma solução destinada ao setor do retalho, o CoolFarm in/store, um sistema automático fechado e vertical, com um ambiente limpo e climatizado no interior, “perfeito para o crescimento de vegetais de qualidade superior como alfaces, agriões, beterrabas, folhas verdes, ervas ou flores, e para a germinação de plantas. Esta nova solução de cultivo usa 90% menos água do que a agricultura tradicional e não necessita de pesticidas nem herbicidas”, afirma João Igor, cofundador da empresa.

Para além dos 50 mil euros que recebeu da Comissão Europeia para desenvolver o estudo de viabilidade e o plano de negócios do produto, a CoolFarm contou com um incentivo fiscal de cerca de 75 mil €.

Minhofumeiro

Mais tradicional, mas nem por isso menos inovadora, é a Minhofumeiro. Com o apoio da ANI desenvolveu o Biofumados[1], um projeto que visa incrementar a capacidade de inovação da empresa, tirando partido das propriedades bioprotetoras das culturas lácteas e suas bacteriocinas na produção de enchidos e fumados “seguros” e com o sabor de enchido “tradicional Português”. Os resultados deste projeto “poderão influenciar a escolha do consumidor na hora da compra ou mesmo alterar os seus hábitos alimentares”, refere António Paulino, diretor geral da empresa.

I&D é a chave para o sucesso

Para demonstrar os resultados do Biofumados, a Minhofumeiro já tem outro projeto, o DEM@Biofumados[2] que está neste momento em execução. A empresa minhota apresentou um investimento total de 636,4 mil euros no total dos dois projetos, tendo recebido cerca de 344 mil euros de incentivo financeiro.

Para António Paulino, a Minhofumeiro, apesar de operar num setor tipicamente tradicional, “ao longo dos anos tem-se associado a várias iniciativas e projetos no âmbito da investigação e desenvolvimento. Assim, tem aliado o seu “saber fazer” e profundo conhecimento do mercado e dos consumidores ao conhecimento nascido nas instituições de investigação e ensino, como a ESB-UC, o IPVC (Instituto Politécnico de Viana do Castelo) ou a Universidade de Aveiro e outras, o que tem permitido um maior desenvolvimento dos processos de produção e também do Controlo de Qualidade”.

CoolFarm in/store

Também João Igor considera que, para a CoolFarm, “torna-se super importante usarmos toda a tecnologia e informação científica nos setores tradicionais como o agroalimentar, na medida em que hoje estamos perante problemas graves relativos à sustentabilidade, ao desperdício e falta de comida, à escassez de recursos naturais, aos problemas relacionados com a poluição e alterações climáticas”.


[1]
O Biofumados é um Projeto de I&D em Copromoção apoiado pelo COMPETE no âmbito do Sistema de Incentivos ao I&DT com um incentivo do FEDER – Fundo Europeu de Desenvolvimento RegionalTambém João Igor considera que, para a CoolFarm, “torna-se super importante usarmos toda a tecnologia e informação científica nos setores tradicionais como o agroalimentar, na medida em que hoje estamos perante problemas graves relativos à sustentabilidade, ao desperdício e falta de comida, à escassez de recursos naturais, aos problemas relacionados com a poluição e alterações climáticas”.

[2] O DEM@Biofumados é um Projeto Demonstrador apoiado pelo COMPETE no âmbito do Sistema de Incentivos ao I&DT com um incentivo do FEDER – Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional.

Comentários

comentários

Artigos relacionados

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close