Economia terá crescido 2,7% em 2017 e tem subida mais alta desde 2000

A economia portuguesa deverá ter crescido 2,7% no conjunto do ano passado, o ritmo anual de crescimento mais elevado desde 2000, motivada pelo aumento do investimento e das exportações, segundo a média das estimativas recolhidas pela agência Lusa.

Versão para impressão

O Instituto Nacional de Estatística (INE) divulga na quarta-feira a estimativa rápida das contas nacionais do quatro trimestre do ano passado, com a média das estimativas recolhidas pela Lusa a apontar para uma subida da economia de 2,4% em termos homólogos e de 0,6% em cadeia.

Caso se confirmem estas previsões, isto significa que a economia portuguesa acelerou no quarto trimestre face aos três meses anteriores e abrandou em termos homólogos. Recorde-se que o INE divulgou que o Produto Interno Bruto (PIB) cresceu 2,5% no terceiro trimestre face ao mesmo período de 2016 e 0,5% face ao trimestre anterior.

Em termos anuais, a economia portuguesa terá crescido 2,7%, o que, para João Borges de Assunção, professor da Universidade Católica, é um dos crescimentos “mais saudáveis desde que Portugal entrou na moeda única”, em 1999. É preciso recuar ao ano 2000 para encontrar um crescimento do PIB superior a 2,7%, já que nesse ano a economia avançou 3,8%.

António da Ascensão Costa, professor do Instituto Superior de Economia e Gestão (ISEG), afirma que “é provável que com o crescimento de 2017 o PIB em termos reais (excluindo o efeito da inflação) tenha atingido os valores de 2010, pré ‘troika’, ou seja pré-crise orçamental”, voltando a ultrapassar os 179.000 milhões de euros (segundo dados do INE).

Ainda assim, o economista do ISEF recorda que as previsões iniciais para o crescimento de 2017 rondavam os 1,7%: “Estamos 1% acima do que se esperava há um ano e sensivelmente o mesmo, talvez um pouco mais, acima do crescimento de 2016. Foi um progresso razoável e foi um bom resultado”, considera.

O economista-chefe do Montepio, Rui Serra, justifica que a aceleração do crescimento em 2017 face ao ano anterior sobretudo com o investimento, “que terá crescido a bom ritmo no ano passado”, embora tenha exigido maior importação de equipamentos, dando um “ligeiro contributo negativo às exportações líquidas” de importações.

Para o crescimento anual da economia, António Ascensão Costa destaca a aceleração do consumo privado, que deverá ter aumentado 2,5% e do investimento, “que passou de um crescimento de 1% em 2016 para 9 ou 10% em 2017”.

“O consumo público praticamente não mexeu portanto são aquelas duas componentes da procura que deram maior contributo”, acrescenta o economista do Grupo de Análise Económica do ISEG.

O investimento (com um crescimento a rondar os 9,5% face a 2016) e as exportações (a aumentarem 7%) também são apontados como fatores essenciais por João Borges de Assunção, que acrescenta o impulso dado pela recuperação da zona euro e pela política orçamental, que “também pode ter dado um pequeno contributo para o crescimento de curto prazo, com a anualização dos aumentos que vinham desde 2016”.

O ISEG é o mais otimista, ao estimar que a economia portuguesa tenha crescido 2,7% em termos anuais, 2,5% em termos homólogos no quarto trimestre e 0,8% em cadeia.

Segue-se o Núcleo de Estudos de Conjuntura da Economia Portuguesa (NECEP), que aponta para uma melhoria do PIB de 2,7% no ano passado, com um crescimento homólogo de 2,4% e de 0,7% em cadeia nos últimos três meses de 2017.

Já o Montepio e o BBVA preveem que a economia portuguesa tenha crescido 2,6% no conjunto do ano, apontando para um crescimento de 0,4% em cadeia e de 2,2% em termos homólogos entre outubro e dezembro de 2017.

No Orçamento do Estado de 2018, divulgado em outubro, o Governo reviu de 1,8% para 2,6% a estimativa do crescimento económico de 2017. Em dezembro, o Fundo Monetário Internacional (FMI) alinhou-se com o Governo, antevendo que o PIB apresente uma subida de 2,6% em 2017 e, na semana passada, a Comissão Europeia melhorou a sua previsão para 2,7%.

Lusa

Comentários

comentários

Artigos relacionados

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close