Equipa portuguesa cria radar capaz de medir respiração à distância

Versão para impressãoBio-Radar é o nome do projeto que promete rapidez e comodidade na monitorização dos sinais vitais, tanto para médicos como para pacientes.  O Instituto de Telecomunicações – em parceria com o Instituto de Engenharia Eletrónica e Telemática de Aveiro – está a desenvolver um radar para medir a respiração à distância. Substituindo os […]

Versão para impressão
Bio-Radar é o nome do projeto que promete rapidez e comodidade na monitorização dos sinais vitais, tanto para médicos como para pacientes. 

O Instituto de Telecomunicações – em parceria com o Instituto de Engenharia Eletrónica e Telemática de Aveiro – está a desenvolver um radar para medir a respiração à distância. Substituindo os métodos tradicionais, o projeto Bio-Radar permite, através de uma onda de rádio que é refletida pelo tórax do paciente, registar os sinais biométricos. O principal objetivo é permitir uma medição de longa duração, sem afetar o conforto do paciente, o que é possível através de uma avaliação não invasiva.

O trabalho desenvolvido nas unidades de investigação da Universidade de Aveiro pelos investigadores Daniel Malafaia, José Vieira, Ana Tomé, Pedro Pinho e por Carolina Gouveia, aluna de mestrado, assegura um método rápido e cómodo, não só para médicos, mas também para doentes. A este nível, refira-se que este sistema não-invasivo poderá assumir uma importância extremas nas unidades de queimados ao permitir uma monitorização em tempo real, mas sem contacto direto com o paciente, o que minimizará situações de dor e desconforto.

 

Uma ferramenta inovadora, dentro e fora do hospital.

A inovação do projeto que tem assinatura portuguesa não ficará, contudo, por aqui. José Vieira, um dos investigadores, revela que “inicialmente, a tecnologia servirá apenas para medir o ritmo respiratório, mas estamos já a trabalhar para que, brevemente, possamos, também, medir o ritmo cardíaco, que é um pouco mais complexo”. O investigador revela, ainda, que “o Bio-Radar poderá ter novas aplicações fora do ambiente hospitalar, nomeadamente no interior de um automóvel para medir o nível de stress ou descontração de um condutor ou até detetar se o mesmo está perto de adormecer ao volante”. A análise psicofisiológica e a avaliação da credibilidade de depoimentos são outras aplicações que poderão estar igualmente a caminho.

Comentários

comentários

Artigos relacionados

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close