Nova era dos Descobrimentos

Empresas apoiadas pela ANI pioneiras na Economia do Mar

Versão para impressão

Quinhentos anos depois de os portugueses terem zarpado para os oceanos e darem novos mundos ao mundo, voltamos a fazer história no mar. Combinando tecnologia inovadora e ambição, envolvendo instituições de ensino superior e empresas e desenvolvendo soluções sustentáveis, Portugal está a descobrir novos caminhos no domínio dos oceanos. A BioMimetx e a Ocean Scan, apoiadas pela Agência Nacional de Inovação (ANI), lançaram-se à conquista dos mares globais através da inovação de base científica e tecnológica.

A Ocean Scan dedica a sua atividade ao desenvolvimento e produção de veículos subaquáticos autónomos de reduzidas dimensões. Atualmente, o principal produto comercializado pela empresa é o veículo LAUV (Light Autonomous Underwater Vehicle), uma plataforma com capacidade de operação autónoma no meio subaquático integrando diversos sensores e sonares. Criada em 2008, a empresa é uma spin-off da Universidade do Porto. O LAUV pode ser usado em pesquisas oceanográficas, levantamentos hidrográficos, mapeamento e estudos de impacto de descargas de águas residuais, procura e deteção de objetos e estruturas submersas, entre outros.

A BioMimetx, sediada em Cantanhede, é uma startup biotecnológica dedicada à investigação, desenvolvimento e comercialização de soluções inovadoras e amigas do ambiente para o controlo da proliferação biológica. Nasceu de um trabalho de recolha de bactérias ambientais com níveis de resistência elevada a antibióticos de última geração. A empresa obteve recentemente um financiamento comunitário de 1,3 M€ para desenvolver o BMX-11, um aditivo inovador para tintas marítimas que permite reduções significativas nos custos de manutenção e consumos energéticos dos navios. Este produto ultrapassa as limitações dos atuais aditivos usados na prevenção da adesão de organismos marinhos, como a sua acumulação tóxica para o ambiente e manipulação perigosa, a um custo mais baixo. A BioMimetx é uma spin-off da Faculdade de Ciências da Faculdade de Medicina Dentária e do Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária da Universidade de Lisboa. Foi criada durante a participação no COHiTEC 2013, um programa destinado a apoiar a valorização do conhecimento produzido em instituições nacionais de I&D.

Luís Madureira, sócio-gerente da Ocean Scan, recorda que o protótipo deste produto “começou a ser desenvolvido por uma equipa de investigadores da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto. A Ocean Scan foi lançada em fevereiro de 2008 e, logo no início de 2009, arrancou o projeto Xtreme[1]. Este projeto teve um papel muito relevante para a Ocean Scan pois ajudou a empresa a subir alguns degraus em termos de TRL (Technology Readiness Level), o que nos permitiu uma entrada mais célere no mercado”. A empresa está a desenvolver um projeto no âmbito do Portugal 2020, o Quadro Comunitário de Apoio atual, com o objetivo de adaptar a tecnologia existente e desenvolver um novo e inovador sistema para observações oceanográficas de longa duração.

Um mar de oportunidades

O alargamento da Zona Económica Exclusiva, o potencial tecnológico existente e a cultura de inovação podem levar o país a uma posição relevante na Economia do Mar.

Patrick Freire, diretor executivo da BioMimtex, considera que “Portugal tem no seu mar um potencial que poucos países possuem: uma área marítima muito maior que a sua área terrestre. É necessário poder valorizar os recursos naturais que contém de forma sustentável e assegurando a sua manutenção para as gerações futuras. A melhor forma de o conseguir é apostar fortemente em inovação tecnológica, consolidando o conhecimento das nossas universidades com ligações ao setor empresarial e criando novas tecnologias sustentáveis e de alto valor acrescentado”.

[1] O Xtreme é um Projeto de I&D em Copromoção apoiado pelo COMPETE no âmbito do Sistema de Incentivos ao I&DT com um incentivo do FEDER – Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional

 

[1] O Xtreme é um Projeto de I&D em Copromoção apoiado pelo COMPETE no âmbito do Sistema de Incentivos ao I&DT com um incentivo do FEDER – Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional

Comentários

comentários

Artigos relacionados

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close