Nova tecnologia permite perceber melhor os tumores cerebrais

Sistema eletrónico pode reduzir o impacto das crises epiléticas em pacientes oncológicos e melhorar a sua qualidade de vida

Versão para impressão
O Instituto de Telecomunicações (IT) desenvolveu – em parceria com a Universidade do Algarve (UAlg) – novos componentes eletrónicos que permitem, pela primeira vez, a medição da atividade elétrica de células cancerosas do sistema nervoso. A tecnologia de medição foi testada em laboratório, com células derivadas de tumores cerebrais de rato – do tipo astroglioma –, e levanta novas questões sobre a possível sinalização elétrica produzida pelos tumores e sobre o seu impacto na fisiologia cerebral.

A equipa multidisciplinar observou que as células de um tumor cerebral podem gerar atividade elétrica, que pode, por sua vez, interferir com o normal funcionamento do cérebro e, eventualmente, contribuir para crises epiléticas – que surgem, frequentemente, associadas a tumores cerebrais. Neste sentido, a tecnologia possibilita o desenvolvimento de terapias direcionadas para estas alterações de atividade elétrica, podendo reduzir o impacto das crises epiléticas em pacientes oncológicos e melhorar, significativamente, a sua qualidade de vida.

Ultrassensibilidade do equipamento é o segredo

As células estudadas têm origem nos astrócitos, que existem no cérebro e cuja função se pensava ser dar suporte funcional, metabólico e estrutural aos neurónios. Contrariamente aos neurónios, os astrócitos eram tidos como eletricamente silenciosos já que, até ao momento, os sensores disponíveis só mediam sinais elétricos superiores a 10 micro-volts. O segredo dos novos transdutores eletrónicos ultrassensíveis reside na capacidade de detetar sinais elétricos muito fracos, produzidos pelas células cancerosas, e que são tipicamente inferiores a um micro-volt.

O estudo é liderado por Henrique Gomes – investigador do IT e docente no Departamento de Engenharia Eletrónica e Informática da Faculdade de Ciências e Tecnologias da UAlg – em colaboração com Inês Araújo, investigadora do Centro de Investigação em Biomedicina da UAlg. O projeto foi financiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia e pelo Instituto de Telecomunicações.

Comentários

comentários

Artigos relacionados

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close