Portuguesa SilicoLife lidera projeto para impulsionar a biologia sintética da UE

Start-up nascida na UMinho coordena projeto de oito milhões de euros com o fim de criar vias biológicas para mais de cem compostos

Versão para impressão

A SilicoLife, jovem empresa com origem na Universidade do Minho, vai liderar um projeto de oito milhões de euros para alavancar a competitividade da biologia sintética da União Europeia. O consórcio chama-se “Shikifactory100”, é apoiado pelo programa Horizonte 2020 e arranca em janeiro de 2019, juntando nos próximos quatro anos 11 parceiros de sete países, entre os quais a UMinho.

A indústria está a substituir cada vez mais os ingredientes artificiais por ingredientes de fontes biológicas, para aumentar a satisfação do consumidor e a inovação nos sabores e nas fragrâncias. Por outro lado, muitos dos recursos naturais são limitados e dependem do clima, o que faz subir os preços.

O “Shikifactory100” quer encontrar novas formas sustentáveis de produzir ingredientes que até aqui só se obtêm por extração de plantas ou por processos petroquímicos. Como? A partir de microrganismos, aliando a biologia com métodos computacionais. Em particular, o projeto centra-se no chiquimato, um ácido central no metabolismo, a partir do qual se pretende chegar a mais de cem compostos de alto valor e com aplicações tão diversas, como aromas, medicamentos e químicos de interesse industrial. Pretende-se ainda obter novas vias biológicas para produzir adoçantes artificiais, evitando os atuais processos químicos.

Construir “fábricas” de células microbianas

“A escala e a integração das tecnologias de ponta no ‘Shikifactory100’ são inéditas na Europa e vão contribuir para a liderança da UE nas áreas da biologia sintética e da bioeconomia”, diz o diretor-geral da SilicoLife, Simão Soares. Nesse sentido, “o consórcio vai construir uma plataforma de ‘fábricas’ de células microbianas, com estirpes personalizadas e genomas otimizados, para uma produção eficiente, económica e sustentável, combinando novos métodos computacionais com desenvolvimentos in vitro e in vivo”, refere a gestora científica do projeto, Isabel Rocha, do Instituto de Tecnologia Química e Biológica da Universidade Nova de Lisboa e também ligada ao Centro de Engenharia Biológica da UMinho.

Além da SilicoLife, participam no projeto as universidades do Minho, Nova de Lisboa, Técnica da Dinamarca e de Manchester (Reino Unido), a Escola Politécnica Federal de Lausanne (Suíça), o Laboratório Europeu de Biologia Molecular (Alemanha), a consultora NNFCC (Reino Unido) e as empresas DSM (Holanda), c-LEcta (Alemanha) e GalChimia (Espanha).

Comentários

comentários

Artigos relacionados

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close