O potencial do agroalimentar

Incubar e estabelecer parcerias

Versão para impressão
Pelas exigências do mercado e dos seus consumidores, o setor agroalimentar é, talvez, um dos mais profícuos no que toca a novos produtos, por vezes inesperados.

Na génese de todo este conhecimento e descobertas estão centros de I&D e de incubação e aceleração especializados, tanto em Portugal, como no estrangeiro.

Em 2015, em São Francisco (Estados Unidos), foi criado o IndieBio, uma aceleradora dedicada à biotecnologia para ajudar a transformar os cientistas em empresários. Alex Kopelyan, gestor do programa, ressalva que se está a viver um “momento único na história, com uma abundância de cientistas extremamente talentosos a nível académico que procuram fazer a diferença e descobrir novas maneiras de fazer as coisas”. Esta vontade, combinada com as novas tecnologias, que permitem fazer ciência de modo mais barato e rápido, gerou oportunidades incríveis para construir empresas de biotecnologia a uma velocidade e custo nunca possível anteriormente.

O responsável acrescenta que recrutam start-ups de todo o mundo e ajudam-nas com financiamento de 250 mil dólares, mentoria e espaço de coworking – ferramentas necessárias para as equipas obterem uma “ótima tração inicial, transformando ciência em produto, aumentando o capital investido e recebendo clientes”.

Na vertente alimentar, a IndieBio já deu o seu contributo na emergência de empresas como a Memphis Meats, que está a produzir carne real a partir de células animais. Ou seja, estão a “cultivar” carne limpa e já apresentaram o primeiro frango e pato do mundo sem a necessidade de alimentar animais, reproduzir e abatê-los. Com a mesma abordagem, a Clara Foods também nasceu na IndieBio. Sob o lema “funcionalidade desbloqueada”, a empresa está a produzir claras de ovo completamente livres de animais e, portanto, livres de salmonela e gripe aviária, evitando o desperdício agrícola e ambiental, combinando o gosto, o valor nutricional e as propriedades culinárias únicas das mesmas claras de ovos. Assim já pode ter os seus bolos sempre fofos e leves!

Apesar de terem apoiado start-ups mais ligadas à saúde, Alex Alex Kopelyan revela que em breve vão começar a lançar no nosso país a IndieBio, tendo já entrado em contacto com a Healthcare City para construir uma ponte sólida entre São Francisco e Portugal.

Com um ano de atividade, o AGRO-TECH Campus de Oeiras é o primeiro ecossistema de investigação e inovação dedicado inteiramente aos setores agroalimentar, veterinário e florestal. Criado pela iniciativa do Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária (INIAV), do Instituto de Tecnologia Química e Biológica António Xavier (ITQB) da Universidade Nova de Lisboa, e do Instituto de Biologia Experimental e Tecnológica (iBET), é o maior existente em Portugal neste domínio, integrando mais de 1000 investigadores dedicados inteiramente ao aumento da competitividade nacional e à capacidade exportadora das empresas portuguesas.

Sobre esta parceria, Nuno Canada, Presidente do INIAV, acredita que vem colmatar a “a falta de massa crítica e de escala em alguns domínios destes setores. Esta iniciativa âncora permitirá uma muito maior capacidade de resposta e acesso a projetos de grande dimensão, passando as três instituições desta forma a ter um peso muito maior do que quando trabalhavam de forma isolada”.

Comentários

comentários

Artigos relacionados

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close