Terceiro dia da Web Summit destaca projetos de condução autónoma, inteligência artificial e redes sociais

A plena condução autónoma em 2021, a capacidade da Inteligência Artificial (IA) aproximar os robôs dos e aos humanos, as sociedades do futuro e a forma como as redes sociais podem ajudar a que as pessoas se conheçam no mundo real foram alguns dos temas levados a debate durante o terceiro dia da Web Summit.

Versão para impressão
A manhã ficou marcada com o tema da mobilidade autónoma. Elmar Frickenstein, Vice-Presidente sénior para a Fully Automated Driving e Driver Assistance do grupo BMW referiu que “a mobilidade está a mudar tudo e os carros autónomos têm vindo a percorrer um longo caminho nos últimos dez anos”. Foi desta forma que o orador iniciou a sua apresentação. Elmar acrescentou que o conforto, tempo, flexibilidade, redução de tráfego nas horas de ponta, bem como a diminuição das emissões de gazes poluentes para o meio ambiente são algumas das vantagens da utilização dos carros autónomos.

dsc_0104O objetivo principal é sempre melhorar a experiência do utilizador. “Na condução autónoma há uma infinidade de possibilidades para o cliente que pode obter diversas modalidades de condução”. Quando questionado sobre a possibilidade da existência de acidentes devido ao facto de não haver condutor, Elmar Frickenstein respondeu que os “obstáculos são detetados por sensores”, pelo que “a melhor forma de prever o futuro é criando-o”.

Durante a tarde Bob Greifeld falou da sua experiência como líder da Nasdaq, líder no setor de intercâmbio e tecnologia. Este frisou a importância da comunicação em tempo de globalização e a necessidade de rentabilização. Referiu que vale a pena investir em tecnologias associadas ao machine learning. De seguida, os participantes viram a interação direta do robô Sophia que, além de responder às questões que lhe eram colocadas, pode imitar algumas emoções humanas. Desta forma, a inteligência artificial começa a aproximar os robôs dos seres humanos.

Na conferência dedicada às Sociedades do Futuro, Iris Lapinski, que lidera o Apps for Good, um concurso de educação em tecnologia, onde os jovens das escolas aprendem a criar aplicações que querem resolver problemas sociais, frisou a importância da contaminação positiva como motor da tecnologia e do sucesso. Acredita no futuro dos fazedores e sabe que “fazer é que interessa”.

O dia terminou com a presença de Sean Rad, fundador e CEO do Tinder, uma plataforma global que promove as relações amorosas entre os seus utilizadores. Aconselhou os cibernautas a serem verdadeiros quando publicam as suas fotos de perfil, sem quererem impressionar: “quanto mais completares o perfil, melhor será a tua experiência”, destacou. Quando questionado sobre números, revelou que 85% dos utilizadores são millenials e estão à procura de uma relação séria e duradoura. Diverte-se a usar a plataforma para recolher feedback dos utilizadores, prática importante para reformular, melhorar e fazer evoluir o Tinder.

Comentários

comentários

Artigos relacionados

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close