Universidade de Coimbra reúne especialistas em torno das mudanças no planeta Terra há cerca de 182 milhões anos

“O evento anóxico oceânico do Toarciano”

Versão para impressão

 

 

Discutir os mais recentes avanços científicos relativos às mudanças ocorridas no planeta Terra há cerca de 182 milhões de anos, durante o período Toarciano (Jurássico Inferior), é o objetivo do 2nd International Workshop on Toarcian Oceanic Anoxic Event, que vai decorrer, de 6 a 9 de setembro, em Coimbra.

O encontro, que reúne investigadores de 15 países, entre os quais, a China, vários países da Europa e o Canadá, é organizado pelo Departamento de Ciências da Terra da Faculdade de Ciências e Tecnologia (FCTUC) e MARE – Centro de Ciências do Mar e do Ambiente, em parceria com o projeto IGCP 655 – “Toarcian Oceanic Anoxic Event: Impact on marine carbon cycle and ecosystems” (http://igcp655-toae.com/), que tem o patrocínio da UNESCO e da International Union on Geological Sciences.

No período Toarciano «ocorreram grandes mudanças (paleo)ambientais nos subsistemas Oceano-Biosfera-Atmosfera, e que possui um registo geológico de excelência em Portugal, reconhecido através de publicações em revistas científicas de referência internacional»,  explica Luís Vítor Duarte, da organização da iniciativa.

«Para além da perturbação do ciclo do carbono, que originou alterações profundas na relação oceano-atmosfera, e onde sobressai forte anoxia dos fundos marinhos, este episódio particularmente bem registado nas rochas carbonatadas daquela idade, aflorantes em Peniche e na região de Penela, está ainda associado a um sobreaquecimento da água do mar, factos que deixaram sequelas no registo biológico, originando uma pequena extinção em massa», sublinha o também docente e investigador da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC).

O primeiro dia do Workshop, com início às 9 horas, no anfiteatro C do Departamento de Ciências da Terra, no polo II da UC, será dedicado a uma sessão de apresentação de 36 comunicações científicas sobre o tema do Evento Anóxico, destacando-se a conferência plenária de Hugh Jenkyns, da Universidade de Oxford, nome que está na origem e reconhecimento deste evento à escala global.

Os segundo e terceiro dias do encontro serão dedicados a atividades de campo, na observação in situ do excecional registo deste evento na geologia portuguesa, e o último dia será preenchido com um curso intensivo sobre o registo orgânico associado a estes eventos anóxicos, coordenado por João Graciano Mendonça Filho, da Universidade Federal do Rio de Janeiro, especialista em geoquímica orgânica, e que tem mantido ao longo dos últimos anos estreita colaboração com o Departamento de Ciências da Terra da FCTUC.

Comentários

comentários

Artigos relacionados

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close