Valorizar conhecimento com sucesso: Patente milionária conta uma história de sucesso que nasce do conhecimento

Valorizar o conhecimento é uma das mais-valias estratégicas de qualquer economia. Portugal já está no mapa pelas suas competências na área da Investigação & Desenvolvimento e está a dar os primeiros passos no desenvolvimento, proteção e valorização da inovação de base científica e tecnológica.

Versão para impressão
Apresentamos um caso de sucesso em que a colaboração entre uma universidade, empresas e uma agência pública se transformou numa patente vendida por cinco milhões de euros a uma empresa australiana.

Quem olhar para a foto que acompanha este artigo não imagina que, por entre os fios e o metal, se “esconde” uma tecnologia inovadora totalmente concebida e desenvolvida em Portugal. Trata-se de uma tecnologia fotovoltaica que permite a conversão direta da luz solar em energia elétrica de forma renovável e sustentável.

Na base desta tecnologia estão três projetos distintos – Solarsel, WindDSC e BI-DSC – todos liderados por Adélio Mendes, professor catedrático da FEUP. Em colaboração com a Efacec, e com a contribuição da Agência Nacional de Inovação (ANI), CUF-QI, CIN e EDP, avançou para o desenvolvimento de uma tecnologia que contou, no Solarsel e no WindDSC, com um apoio público, no âmbito do COMPETE, de 1,2 M€ (*). O BI-DSC (Building Integrated Dye Sensitized Solar Cells) foi apoiado pelo European Research Council com uma Advanced Research Grant no valor de quase 2 M€. Teve inicio em março de 2012 e a duração de 5 anos.Para além da sua natureza disruptiva, esta tecnologia ilustra um exemplo bem-sucedido da valorização económica de inovação colaborativa com base em conhecimento e uma abordagem inovadora às patentes “Made In Portugal”. Desenvolvida pela Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP), em colaboração com a Efacec, despertou a atenção da empresa australiana DyeSol, que comprou a patente por cinco milhões de euros

“Foi a aposta concertada da colaboração entre a UPorto, a empresa Efacec e a ANI, através dos projetos em co-promoção SolarSel e WinDSC e do projeto BI-DSC, financiado pela Comissão Europeia, que permitiu chegar à tecnologia de selagem a vidro assistida a laser de baixa e de muito baixa temperatura, entretanto adquirida pela empresa DyeSol. Esta tecnologia é única e tem uma grande utilidade industrial estando presentemente a permitir atrair empresas para Portugal”, considera Adélio Mendes.

Este projeto revela também uma nova abordagem às patentes no nosso país. Mais do que proteger, interessa valorizar o conhecimento desenvolvido para a sua criação. Isso exige estratégias de gestão adequadas para gerar retorno a partir do resultado da Investigação & Desenvolvimento, do conhecimento e das ideias, quer as que saem da empresa quer as que a empresa adquire externamente.

As instituições públicas também funcionam como estímulo a esta valorização. No caso da tecnologia fotovoltaica referida neste artigo, Adélio Mendes afirma que “desde a investigação mais fundamental que suportou o desenvolvimento da tecnologia, tarefas essencialmente realizadas pela UPorto, ao apoio técnico e na definição da estratégia bem como ao financiamento do espaço laboratorial e das patentes (uma das patentes esteve dormente durante mais de 7 anos) pela Efacec, e ao apoio financeiro e às visitas técnicas da ANI, o projeto obteve êxito pela concentração orquestrada de esforços destas três entidades”.

Num contexto mais alargado da propriedade intelectual, o atual programa-quadro da União Europeia, Horizonte 2020, promete continuar a dar relevo ao impacto económico e social dos projetos. Têm a palavra as universidades, as empresas e os poderes públicos. Eles terão um papel-chave na transformação dos resultados de uma investigação em produtos e serviços para o mercado e a sociedade. No âmbito dos fundos estruturais em Portugal, o programa Portugal 2020 inclui mesmo um aviso sobre Propriedade Intelectual, que pretende reforçar a transferência de conhecimento científico e tecnológico para o setor empresarial e a sua valorização, promovendo uma maior eficácia do Sistema de Investigação & Inovação na disseminação dos seus resultados por via da propriedade intelectual.

(*) Os projetos Solarsel e WindDSC foram apoiados pelo COMPETE – Programa Operacional Fatores de Competitividade no âmbito do Sistema de Incentivos à Investigação e Desenvolvimento Tecnológico (SI I&DT), com um incentivo do FEDER – Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional.

Comentários

comentários

Artigos relacionados

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close