Estudo europeu revela fosso significativo na adoção do digital

O ‘Leaders 2020’ avalia os atributos das empresas que têm um desempenho de topo e como as organizações europeias estão a adaptar-se a uma força de trabalho moderna, como também a ter sucesso na economia digital.

Versão para impressão
De acordo com o Estudo ‘Leaders 2020’, duas em cada cinco empresas na Alemanha estão a ganhar valor com a economia digital, ao passo que, no Reino Unido, apenas uma em cada 100 empresas.

Os líderes das empresas europeias estão a dar os primeiros passos na transformação digital, mas os níveis de adoção divergem de país para país.

A pesquisa, realizada pela Oxford Economics e apoiado pela SAP, baseou-se em mais de 4100 executivos e colaboradores de 21 países. Ao analisarem vários recursos e práticas comuns nas empresas com um desempenho sólido e acentuado, identificaram um grupo de organizações que ganham valor com a economia digital, designado “Vencedores Digitais” – Digital Winners, que corresponde a 16% da totalidade das empresas inquiridas em todo o mundo. No entanto, ao examinar os “Vencedores Digitais” na Europa, constatou-se que a liderança digital varia bastante de país para país: Alemanha com 41% e Espanha com 22% superam a média global, seguidos pela França, com 15%; Rússia com três por cento e Reino Unido com um por cento.

“A digitalização tem trazido enormes mudanças para a força e local de trabalho e implica a transformação rápida das empresas,” afirmou o Presidente da SAP SuccessFactors, Mike Ettling. “O nosso estudo Leaders 2020 revelou que bastantes executivos, na Europa e noutras regiões do mundo, ainda não estão preparados para liderar com sucesso na era digital”.

Destacou, ainda que, “há uma oportunidade substancial para os líderes em toda a Europa adotarem esta noção de foco e conexão digital. Como líderes, devemos criar um ambiente onde as pessoas possam prosperar, permitindo-lhes tomar decisões rápidas baseadas em dados, reduzindo a complexidade e a burocracia, ao mesmo tempo que abraçam a diversidade e a inclusão. O digital não significa apenas adotar tecnologia, mas sim como criar uma cultura de inovação, onde os resultados exponenciais não são apenas possíveis, mas exigidos”.

À luz do Leaders 2020, os “Vencedores Digitais”:

Abraçam a diversidade e inclusão

Mundialmente, os “Vencedores Digitais” têm uma maior propensão para aumentarem a diversidade na força de trabalho ao nível do quadro médio de gestão e revelam uma proporção ligeiramente maior de colaboradores do género feminino que outras empresas.

Na Europa, e na maioria das empresas, os níveis de diversidade não estão onde deveriam estar, mas são mais elevados nas empresas com uma liderança executiva de nível superior e forte desempenho financeiro. A média mundial dos “Vencedores Digitais” que reportaram programas efetivos de diversidade foi de 39%, comparativamente aos 36% de todas as empresas em França, 33% na Rússia, 32% na Alemanha, 30% no Reino Unido e 23% em Espanha.

Desenvolvem os executivos mais jovens, os millennials

Praticamente todas as empresas europeias relataram uma proporção menor de executivos mais jovens comparativamente à média global. Enquanto a Rússia reportou uma percentagem mais elevada de gestores jovens em posições de liderança (33% versus 17% mundialmente), Alemanha (16%), Espanha (6%), Reino Unido (cinco por cento) e França (um por cento) devem incluir nas suas prioridades a atração e o desenvolvimento de líderes millennials – incluindo-os na tomada de decisão – para acelerar a transformação digital.

Mundialmente, os líderes de geração millennial são mais pessimistas que os outros executivos acerca da preparação digital da sua organização. Os executivos mais jovens classificaram as competências de liderança digital da sua organização entre 15 e 23 pontos percentuais mais abaixo que os executivos não millennials, numa variedade de atributos, incluindo facilidade de colaboração, gestão da diversidade, feedback e o desincentivo de mais burocracia.

Envolvem e desenvolvem os colaboradores

Os colaboradores que trabalham em empresas com uma liderança progressista estão mais satisfeitos e comprometidos – e menos dispostos a saírem para uma nova posição, de acordo com o estudo. Enquanto o Reino Unido (91%) e a Alemanha (87%) se comparam favoravelmente aos “Vencedores Digitais” a nível mundial, em que 87% dos colaboradores estão satisfeitos ou muito satisfeitos com o trabalho; França (76%), Espanha (64%) e Rússia (32%) ficam claramente abaixo da média mundial. Além disso, enquanto o Reino Unido (80%) e a Alemanha (77%) bateram novamente os “Vencedores Digitais” em todo o mundo, em que 75% dos colaboradores optariam por não deixar a empresa se oferecido outro emprego; França (72%), Espanha (56%) e Rússia (32%) ficariam a ganhar com uma melhor liderança digital.

Alavancam as tecnologias digitais para uma melhor tomada de decisão 

Em todo o mundo, 78% dos “Vencedores Digitais” tomam decisões que são conduzidas por dados, em comparação com os 55% em todas as empresas. Enquanto alguns países europeus superaram os seus pares nesta categoria, incluindo a Alemanha (72%) e França (55%), a maioria das empresas europeias concordam com a necessidade da gestão em melhorar as competências de tomada de decisão.

“A desconexão com os executivos millennials é um sinal crítico de alerta para os líderes seniores e um dos que levanta outras preocupações suscitadas pelo estudo,” disse Edward Cone, diretor adjunto do Thought Leadership na Oxford Economics. “O futuro está a bater à porta e ignorá-lo é perigoso para qualquer empresa.”

Para uma análise detalhada das competências da liderança por país, incluindo a forma de se tornar um “Líder Digital”, veja aqui.

Comentários

comentários

Premio Startup Montenegro 2017

Artigos relacionados

O empreendedorismo está na moda em Portugal mas é preciso não esquecer o intraempreendedorismo para regenerar a estrutura empresarial existente, agilizando e dinamizando ideias e projetos que têm dificuldade de se desenvolverem em estruturas financeiramente débeis com dificuldades de acesso ao capital. Tal permitirá a constituição de novas empresas com balanços limpos e adequados ao investimento do capital de risco (“spinning-off”).