Uma equipe de pesquisadores da Universidade Politécnica de Madrid em conjunto com a Universidade de Florença desenvolveu um robô que monitoriza a qualidade da água e se move como um peixe real.

Versão para impressão
Esta não é a primeira vez que cientistas anunciam a criação de robôs aquáticos, a diferença é que houve aqui inspiração biomimética.

A biomimética é a inovação inspirada pela natureza. Esta tem quase 4 bilhões de anos de experiência e as soluções mais originais para resolver problemas. Por que não aprender com ela?

A indústria da aquicultura fornece quase metade de todos os peixes e frutos do mar consumidos no planeta. A prática depende muito da qualidade da água sempre limpa e saudável. Os peixes-robô usam sensores para monitorizar os níveis de pH e quando encontram áreas excessivamente ácidas ou poluídas, os padrões de natação do peixe mudam ao mesmo tempo que sinalizam onde é o local ruim.

Com isso o aquicultor pode tomar melhores decisões e agir no problema em estágio inicial. Cada peixe tem 30 cm de comprimento e é feito a partir de uma liga que flexiona exatamente como a espinha dorsal de um animal real. Os robôs não destoam do ambiente, por isso causam menos stress nos peixes. Isso é especialmente útil se o robô for reutilizado em futuros estudos comportamentais de seres aquáticos.

O futuro em que peixes-robô preservam a vida de peixes reais finalmente chegou!

  *Artigo escrito em Português do Brasil

Comentários

comentários

Artigos relacionados