Mais de metade dos portugueses não bloqueia os seus dispositivos com palavras-passe

Com mais de metade dos utilizadores portugueses (58%) a não proteger os seus dispositivos móveis com palavra-passe, e apenas 21% a recorrer a soluções antirroubo, os hackers podem ter mais sorte do que esperavam quando roubam smartphones
 

Versão para impressão

 

Hoje em dia, são várias as pessoas que dependem dos seus dispositivos móveis para aceder à internet e levar a cabo atividades online. Portanto, perder um deles às mãos de um hacker acarreta consequências mais graves do que nunca. Por exemplo, 68% dos portugueses inquiridos admite aceder regularmente à internet no seu a smartphone e 35% utiliza frequentemente um tablet para se conectar.

Desta forma, várias informações preciosas são armazenadas e enviadas a partir destes dispositivos. Em Portugal, cerca de uma em cada quatro pessoas (24%) utiliza os seus smartphones para atividades bancárias online, proporcionando acesso a informações financeiras valiosas. Além disso, 60% dos utilizadores recorre com regularidade aos seus smartphones para aceder ao seu email pessoal e 58% admite utilizá-los para visitar as suas redes sociais, ambas atividades que envolvem uma vasta quantidade de informações sensíveis. Os valores nacionais encontram-se acima da média europeia (57% e 55%, respetivamente), de acordo com os resultados do estudo realizado pela empresa de cibersegurança.

Mas todas estas informações armazenadas nos seus dispositivos móveis não torna necessariamente as pessoas mais conscientes e preocupadas – menos de metade (48%) dos utilizadores protege os seus dispositivos móveis com palavras-passe e apenas 14% encripta os ficheiros e as pastas de forma a evitar acessos não autorizados. Portanto, se um dispositivo cai nas mãos erradas, todos estes dados – desde contas pessoais, fotos, mensagens e até mesmo dados financeiros – podem tornar-se acessíveis a uma terceira pessoa.

E mesmo dispositivos que são protegidos por palavras-passe podem originar consequências desastrosas quando perdidos ou roubados. Por exemplo, menos de metade (43%) dos utilizadores faz uma cópia dos dados armazenados nos seus dispositivos, e apenas 22% instala soluções antirroubo nos seus dispositivos móveis, o que significa que os seus antigos proprietários terão dificuldade em aceder e recuperar as suas contas se perderem o seu smartphone. Os utilizadores portugueses continuam, uma vez mais, abaixo da média europeia a nível de proteção e prevenção de ameaças contra os seus dispositivos móveis, com apenas 39% a efetuar cópias regulares dos seus dados, e 21% a recorrer a soluções antirroubo.

Dmitry Aleshin, vice-presidente de Marketing de Produto da Kaspersky Lab, afirma, “Todos adoramos os nossos dispositivos conectados porque nos garantem acesso a informação vital, em qualquer lugar e a qualquer altura. São objetos valiosos pelos quais os criminosos se sentem naturalmente atraídos, e o seu trabalho é facilitado pelo facto de um em cada dois telemóveis não ser protegido por uma senha ou palavra-passe. Há vários passos, muito simples, que os utilizadores podem adotar para proteger os seus dispositivos e os dados neles armazenados. Ao ativarem a proteção com palavra-passe e utilizar uma solução de segurança específica que inclui proteção antirroubo, eles poderão proteger as suas informações pessoais – incluindo fotos e contas online – contra perdas ou intenções maliciosas.”

Comentários

comentários

Artigos relacionados

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close