Quatro portugueses recebem mais de 8 milhões de euros em bolsas do Horizonte 2020

“Estas bolsas são incentivos à investigação de excelência na Europa e permite aos nossos investigadores correm riscos e desenvolver as suas ideias”, destaca Carlos Moedas.

Versão para impressão

 

O Conselho Europeu de Investigação (ERC) anunciou hoje os nomes dos 291 vencedores do concurso de Bolsas de Consolidação (Consolidator Grants) de 2018, onde constam quatro investigadores de nacionalidade portuguesa, três dos quais a trabalhar em Portugal.

Estes cientistas foram contemplados com um total de 573 milhões de euros, dos quais perto de 8,3 milhões para portugueses.

Responsável pelo programa de Investigação e Inovação da União Europeia, o Horizonte 2020, o Comissário europeu, Carlos Moedas, afirmou: «Estas bolsas são incentivos à investigação de excelência na Europa e permite aos nossos investigadores correr riscos e desenvolver as suas ideias. Ao todo são 40 nacionalidades diferentes em 22 países europeus, o que demonstra a diversidade e qualidade da investigação fundamental na Europa. É com grande entusiasmo que tenho visto os mais recentes resultados dos investigadores portugueses. Estes quatro investigadores agora premiados são mais uma prova da qualidade dos cientistas portugueses fazem, tanto no seu país como no estrangeiro, a competir ao mais alto nível.»

Os projetos aprovados de investigadores portugueses foram os seguintes:

A-FRO, por Marta Moita, da Fundação Champalimaud (Portugal);
VINCULUM, por Maria de Lurdes Rosa, da Universidade Nova de Lisboa (Portugal);
METAmorphoses, por António Ambrósio, do Laboratório Ibérico Internacional de Nanotecnologia (Portugal);
ProteoNE_dynamics, por Pedro Carvalho, da Universidade de Oxford, (Reino Unido).

Estas bolsas premeiam investigadores de excelência com sete a doze anos de experiência após o doutoramento e em todas as áreas científicas. Os concursos estão abertos a investigadores de qualquer idade e nacionalidade. A investigação em questão tem de ser conduzida numa instituição pública ou privada num dos Estados-Membros da União Europeia ou num dos países associados. O financiamento (numa média de 2 milhões de euros por bolsa) é atribuído ao longo de até 5 anos e cobre a contratação de membros das equipas de investigação.

A procura pelas bolsas do Conselho Europeu de Inovação continua a ser muito alta: desta vez, 2 389 propostas foram a concurso, das quais cerca de 12 % foram selecionadas para financiamento. De assinalar que 32 % dos premiados foram mulheres. Estima-se que estas bolsas criem 1 750 postos de trabalho para pós-doutorados, estudantes de doutoramento e outros membros das equipas de investigação.

O concurso para a próxima ronda de financiamento das Bolsas de Consolidação do Conselho Europeu de Investigação termina a 7 de fevereiro de 2019.

Comentários

comentários

Artigos relacionados

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close